Como fazer gestão de conflitos em empresas contábeis?

Não se sente e espere as oportunidades virem. Levante-se e as faça Madam C.J. Walker

Discussões e divergências de opiniões são naturais em qualquer organização. Contudo, quando a empresa não conta com um time focado em gestão de pessoas, esses pequenos atritos podem tomar uma proporção maior do que o esperado, gerando diversos prejuízos. 

Uma boa gestão de conflitos é, portanto, essencial para garantir um ambiente de trabalho harmonioso e produtivo. Mas como implementar esse tipo de ação em sua empresa contábil? Continue a leitura e confira nossas dicas. 

O que é gestão de conflitos?

A gestão de conflitos é um conjunto de ações que buscam trazer mais harmonia entre os colaboradores de uma empresa, solucionando divergências que possam se tornar desgastantes e prejudiciais, causando impacto na produtividade e na motivação do time. 

O trabalho vai além de apenas mediar discussões de colaboradores e envolve ações contínuas e estratégicas para prevenir problemas dessa natureza, criando um clima organizacional que favoreça o respeito, a empatia e o comprometimento de todos. 

Muitos fatores podem inflamar conflitos dentro das empresas contábeis. Entre eles, podemos destacar, por exemplo:

  • mudanças, como uma nova gestão ou dinâmica de equipe;
  • conflitos entre departamentos;
  • pressão por prazos e resultados;
  • má distribuição de recursos e tarefas;
  • gargalos na comunicação interna;
  • estresse e sobrecarga de trabalho;
  • hierarquia verticalizada;
  • competitividade negativa;
  • lideranças arbitrárias.

Qual é a importância de gerenciar conflitos em empresas contábeis?

Até certo nível, os conflitos e desentendimentos são normais e até importantes no ambiente de trabalho. Afinal, pontos de vista contrastantes podem ajudar na resolução de problemas e no desenvolvimento de pensamentos criativos. 

Contudo, quando essas discussões não se desenvolvem de forma amistosa e respeitosa, os conflitos deixam de ser construtivos e passam a se tornar prejudiciais às pessoas e à empresa como um todo. 

Nesses casos, a gestão de conflitos é um instrumento importante, não só para encerrar uma briga em potencial, mas para promover o equilíbrio das relações e evitar um clima pouco saudável.

Como implementar a gestão de conflitos em empresas contábeis?

Normalmente, a gestão de conflitos é administrada pelo time responsável pelo RH em conjunto com as lideranças. Na hora de implementá-la, você pode seguir algumas dicas práticas. Confira as principais.

Exerça a liderança

Os líderes são figuras de extrema importância para a gestão de conflitos. São eles que conhecem de perto as características e o perfil comportamental dos colaboradores e têm um contato mais próximo a eles. Assim, é importante que as lideranças recebam treinamento para exercer a autoridade de forma conciliadora e imparcial. 

Identifique problemas

É normal que alguns pequenos problemas de convivência aconteçam, principalmente, em times maiores e mais diversos. Contudo, você deve observar para entender se esses conflitos estão tomando proporções grandes o suficiente para impactarem no clima organizacional.

Ambientes conflituosos, normalmente, podem ser diagnosticados por meio da observação. Nesse sentido, colaboradores que não se falam, projetos interrompidos, pendências em processos e clima pouco amistoso podem ser sinais de que algo não vai bem. 

Estimule a comunicação

É importante que a organização busque um ambiente de trabalho em que as pessoas se sintam confortáveis para comunicar problemas de forma aberta e transparente, sem medo de serem julgadas ou sofrerem retaliações.  

Assim, crie canais internos de comunicação e incentive uma cultura de feedbacks periódicos, em que os profissionais possam compartilhar problemas e auxiliar a gestão a encontrar soluções

Seja imparcial

Ao identificar conflitos, é importante que a gestão aja sempre com neutralidade, ouvindo todos os lados sem emitir nenhum juízo de valor. Dessa forma, peça para que cada um exponha sua interpretação dos fatos e tente manter uma relação amistosa com todos os envolvidos, sem tomar qualquer partido. 

Negocie soluções reais e práticas

Depois de identificar os envolvidos no conflito e ouvir cada um dos lados, é o momento de buscar uma negociação, dando a chance para que os colaboradores possam refletir sobre seus erros. 

Nessa hora, busque apaziguar o ambiente utilizando técnicas de comunicação não violenta e proponha soluções que sejam possíveis e benéficas para o time e para a empresa. 

Quais as consequências de não ter uma gestão de conflitos?

Negligenciar conflitos dentro da empresa contábil pode trazer diversos malefícios para a organização. Entre as consequências mais comuns, podemos citar:

  • perda de tempo produtivo;
  • baixo desempenho do time;
  • baixo engajamento;
  • aumento da rotatividade;
  • aumento do absenteísmo e presenteísmo. 

Quais são os benefícios da gestão de conflitos?

O gerenciamento de conflitos é um grande aliado do RH nas empresas contábeis. Isso porque, essas ações ajudam a compor times mais colaborativos, que se entendem e se respeitam. Um ambiente harmonioso tende a fortalecer um clima de engajamento e produtividade, com colaboradores motivados e que se sentem pertencentes. 

Ademais, o comportamento em um ambiente livre de conflitos também favorece o trabalho em equipe e a coletividade, possibilitando processos mais alinhados e melhores resultados para a organização. 

Por fim, quando o clima organizacional é cercado pelo respeito, os profissionais tendem a vestir a camisa da empresa, o que reduz as taxas de turnover e minimiza as possibilidades de novos conflitos. 

Concluindo, a gestão de conflitos é um processo importante em qualquer organização que busca um ambiente harmonioso e colaborativo. Para tanto, é fundamental que a empresa treine seus líderes para mediar qualquer problema de forma neutra, garantindo mais motivação e produtividade aos times. 

Agora que você já entendeu a importância desse tipo de ação, baixe o e-book gratuito e descubra como as avaliações de desempenho podem ajudar na gestão de pessoas de pequenas empresas.