Como fazer o controle de férias de funcionários nas empresas contábeis?

A vontade de se preparar tem que ser maior do que a vontade de vencer. Bernardinho

O controle de férias de funcionários garante o nas empresas contábeis. A ideia é evitar que o período de descanso do trabalhador, garantido por lei, prejudique a rotina do escritório. 

Esse manejo é importante para prever qual colaborador vai ficar ausente, por quanto tempo e quando. Desse modo, a equipe consegue se organizar para não sobrecarregar ninguém e para manter o ritmo, sem que as férias sejam um período crítico para a empresa. 

Quer fazer o controle de férias nas empresas contábeis com agilidade e sem complicação? Continue a leitura, aprenda com o passo a passo e descubra os benefícios de manter o calendário de descanso organizado. 

Benefícios de fazer o controle de férias para as empresas contábeis 

O controle de férias de funcionário é um processo de rotina nas empresas, utilizado para evitar atrasos na prestação dos serviços. Nesse sentido, uma boa gestão do cronograma tem impacto direto no desempenho do time, mas não apenas isso. Confira outros benefícios:  

  • permite planejar as ausências diminuindo implicações nas demandas da empresa;
  • oferece tempo para treinar colaboradores e remanejar funções;
  • cumpre com as obrigações legais e evita despesas ocasionadas por férias vencidas;
  • prevê a necessidade de contratações temporárias para períodos críticos;
  • garante acesso ao direito do trabalhador, beneficiando seu bem-estar físico e mental com o descanso remunerado. 

8 passos práticos para fazer um controle de férias eficiente

As férias são um direito do trabalhador garantido no artigo 129 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Além disso, representam um período essencial para o colaborador. 

Isso porque, é durante as férias que o profissional descansa da rotina para voltar ao trabalho mais motivado e produtivo. Confira como fazer o controle de férias nas empresas contábeis em 8 passos. 

1. Defina a política de férias da empresa e divulgue-a

A Reforma Trabalhista diz que as férias podem ser divididas em até três períodos, nenhum deles com duração inferior a cinco dias corridos ou maior que 14 dias consecutivos. Essa é a regra.

No entanto, a legislação permite que empregador e empregado negociem esse fracionamento. Sendo assim, as empresas podem definir políticas de férias com regras próprias, desde que elas não descumpram a lei e sejam adequadas para ambos. 

2. Conheça a convenção coletiva da categoria contábil

É importante consultar a política dos sindicatos para garantir que ela seja respeitada e incorporada às regras da empresa. Isso porque, é possível que existam regulamentações específicas para férias conforme o estado da federação. 

3. Organize um histórico das férias gozadas

Confira se a empresa tem um histórico sobre férias e recessos dos colaboradores. Nessa hora, o setor ou pessoa responsável pela folha de pagamento pode ajudar. Solicite os registros com nomes, respectivos períodos aquisitivos (data de início e fim de férias) e número de dias gozados.

4. Estabeleça prioridades para as demandas internas

A empresa contábil deve considerar a demanda interna na elaboração do cronograma de férias. Trata-se de um cuidado necessário para evitar ausências durante períodos de maior volume de trabalho. Imagine quão caótico seria conceder férias no ápice de entrega do IR, por exemplo, quando o time deveria estar completo. 

5. Faça um cronograma

Defina prazos para que os colaboradores apresentem seus pedidos de férias, informando o período desejado. O calendário deverá ser estruturado com diálogo e transparência para dar tratamento igualitário aos funcionários. 

Afinal, grande parte dos trabalhadores prefere tirar férias durante o verão ou em datas festivas, como Natal e Ano Novo. No entanto, isso nem sempre será possível. 

6. Prepare a equipe para as ausências

O escritório contábil deve fazer o controle de férias para diminuir danos na prestação dos serviços e no atendimento. Nesse sentido, vale conversar com os colaboradores para definir quem ficará responsável pelas demandas do colega ausente e treinar o encarregado, se necessário. 

7. Divida as responsabilidades e demandas

Quando um colaborador sai de férias, outro precisa dar prosseguimento ao trabalho. Isso para evitar a sobrecarga e o acúmulo de funções. Nesse caso, empresas com times reduzidos podem recorrer às contratações temporárias, inclusive, de estagiários. 

8. Aposte na tecnologia para fazer o controle de férias

Acreditar que a tecnologia está acessível apenas para grandes corporações é um mito. Hoje, empresas de pequeno e médio porte também podem contar com ela para aprimorar as rotinas administrativas. 

Para tanto, existem softwares de gestão capazes de facilitar o trabalho do Departamento Pessoal (DP). Trata-se de ferramentas que conseguem fazer o cálculo de férias, emitir a folha de pagamento, administrar admissões e desligamentos, melhorar a comunicação interna, entre outros benefícios. 

Como você pode ver, não há mistério em fazer o controle de férias de funcionários no escritório contábil. Independente de ter ou não um setor de DP, a empresa deve tratar o assunto com responsabilidade. 

Desse modo, prioriza-se o bem-estar do colaborador e cumpre-se com a legislação trabalhista. Sem esquecer que o descanso sem prejuízo da remuneração é um direito constitucional do trabalhador e um dever do empregador. 

Aproveite a oportunidade e baixe o e-book desenvolvido para estruturar as rotinas do RH e do DP nas pequenas empresas.