Diferenças entre OKR e os modelos tradicionais de gestão para o setor contábil

Se você está alcançando todos os seus objetivos, você não os está definindo de forma suficientemente agressiva. Laszlo Bock

De maneira simples, podemos falar que o (Objectives and Key Results) são um sistema de metas, feito de forma prática. A metodologia foi criada ainda em 1974, porém, enfrentou grande resistência por boa parte das empresas para ser implantada.

No entanto, após um caso de extremo sucesso, hoje, não chega a ser mais questionada. O Google, uma das maiores empresas do mundo, utiliza o como metodologia de funcionamento, e os resultados todos nós podemos conferir todos os dias.

Contudo, quais seriam as diferenças entre e os modos tradicionais de para o setor contábil? Esses pontos de divergência seriam realmente consideráveis para o gestor do escritório? Para conhecer mais a fundo as diferenças, confira o nosso artigo abaixo.

Boa leitura!

durante os

Existem diversas diferenças entre e os modos tradicionais de para empresas de , e na dos podemos notar algumas delas. Basicamente, o dos escritórios é feito de forma diferente.

Nas metodologias mais tradicionais, quando um processo empresarial vai se iniciar, apenas indivíduos de cargo alto ou pessoas do RH fazem parte do planejamento. Os outros funcionários da empresa acabam sendo excluídos de todo o processo.

Sendo assim, eles participam do processo de fato apenas no momento de colocá-lo em prática. Em muitos casos, sabem o que deve ser feito apenas no momento de realização, sem maiores explicações do porquê de aquilo ser necessário.

Já no caso da metodologia OKR, todos os membros do escritório são responsáveis pela elaboração do projeto. Dessa maneira, é possível aumentar o engajamento dos funcionários, que entendem sua verdadeira função na empresa.

O modelo colaborativo de ajuda a sua empresa a contar com mais participação de todos os funcionários, aumentando o engajamento, e, consequentemente, melhorando a performance de todos os envolvidos durante o processo.

Elaboração de metas contam com diferenças maiores

A criação de metas nos modelos de também conta com algumas diferenças gritantes. Basicamente, nos modelos tradicionais, as metas são criadas no topo, e então vão sendo divididas para cada um dos setores responsáveis.

O problema é que, muitas vezes, essas metas, por serem criadas por pessoas que não estão de fato nos setores, são descoladas da realidade. Isso faz com que metas impossíveis de serem batidas, ou muito fáceis, sejam elaboradas.

Isso pode gerar atrito entre os envolvidos, desgasta a relação de todos, ou ainda pode fazer com que se crie desinteresse entre os funcionários. No caso do OKR, as metas são criadas em conjunto, visando sempre a simplicidade em sua elaboração.

Sendo assim, é possível elaborar um mais curto, além, é claro, de desafiar a equipe responsável por realizar tal tarefa. Essas metas devem ser adaptáveis e compreender que imprevistos podem acontecer durante o trajeto.

Em todo caso, é necessário destacar que o método não é indicado para empresas que baseiam suas ações em cadeias de controle. Além disso, é só outro modelo de gestão, e não significa que é melhor ou pior do que os métodos tradicionais.

Feedbacks são dados de forma diferente

Os feedbacks também são diferentes quando estamos falando dos dois modelos de gestão. Na metodologia tradicional de gerenciar um escritório, os feedbacks são dados apenas após o término de um projeto a ser finalizado.

Quando se está atendendo um cliente, por exemplo, o sabe do feedback apenas após o fim do procedimento. Muitas vezes, isso acontece sem contato direto com o cliente, com o seu gestor passando os pontos de destaque.

Ou seja, durante todo o processo de realização do projeto, não existe qualquer resposta por parte dos seus superiores. Esse não é o tipo de prática estimulada no OKR, que funciona de maneira um pouco diferente quando analisamos a fundo.

Basicamente, como as metas são mais simples, e de tempo mais curto, o feedback acontece com uma frequência muito maior do que a habitual. O que aconteceria apenas 1 vez no mês, no fim do processo, acontece agora durante todas as semanas.

Além disso, o processo de feedforward também acontece com frequência. Esse procedimento nada mais é do que a identificação de pontos que podem ser melhorados em cada um dos funcionários, pensando no futuro.

Assim, no OKR, é possível alinhar o projeto com os interesses do cliente, já que o feedback é frequente, além, é claro, de melhorar as habilidades que precisam ser lapidadas no processo de feedforward. O acompanhamento acontece de maneira mais próxima.

Periodicidade do do seu escritório

Em modelos mais tradicionais, o planejamento, geralmente, é feito apenas semestralmente, ou ainda anualmente. Existe um período grande entre um plano a ser traçado e outro, com o menor período desta metodologia sendo de 6 meses.

No caso do método OKR, o é feito em uma periodicidade mais curta, às vezes até de forma mensal. Os períodos menores podem funcionar melhor para algumas empresas, por isso, analise essa possibilidade em seu negócio.

No mais, é preciso verificar a situação da sua empresa para entender qual metodologia se encaixa melhor em sua necessidade. Na questão de planejamento, qualquer um deles pode ser vantajoso para o seu escritório de contabilidade.

Grau de transparência é uma das maiores diferenças entre os dois

Por último, entre as diferenças entre OKR e os modos de tradicionais para o setor contábil, podemos destacar que o grau de transparência entre os dois modelos é diferente. Esse aspecto muda, principalmente, para os funcionários.

Nos modelos tradicionais, existe um pacto entre o gestor do escritório e o responsável por determinada área. Em muitos casos, os outros subordinados não sabem disso, e os membros de outros setores não são informados sobre isso.

Já no caso do modelo OKR, a transparência é maior, já que todos os membros da empresa ficam cientes do de todas as áreas. Isso faz com que os funcionários do seu escritório entendam o seu real papel dentro do funcionamento da empresa.

Isso torna a função de uma mais clara, o que pode acabar aumentando o engajamento de todos os colaboradores. No mais, o OKR é apenas outro método de gerenciar sua empresa, e, como dissemos, não é melhor ou pior do que o outro.

Se gostou desse artigo, compartilhe com amigos e colaboradores!

Marcado como: