Como a globalização já está afetando o seu escritório contábil

Hoje não basta mais ser um bom técnico. É o mínimo que você tem que ser. O dono da empresa contábil tem, necessariamente, que criar uma estrutura de gestão pensando em estratégias específicas.
Hoje não basta mais ser um bom técnico. É o mínimo que você tem que ser. O dono da tem, necessariamente, que criar uma estrutura de pensando em estratégias específicas.

O professor, , sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Contábil, Roberto Dias Duarte, conta como a chegada de empresas de contabilidade internacionais já repercute no mercado brasileiro e de que maneira os escritórios nacionais precisarão se adaptar para sobreviverem e se manterem competitivos diante deste cenário.

De que maneira o mercado de franquias contábeis tem crescido internacionalmente? 

Nos Estados Unidos, por exemplo, já existem 14 redes grandes registradas na Associação Internacional de Franchising. A maior delas é a Liberty Tax, com um faturamento anual de USS 470 bilhões. É a 61ª maior no ranking global, entre todos os setores da economia. Outras como a H&R Block, por exemplo, já têm um processo bastante amadurecido, com 4.500 unidades espalhadas em todo território americano. Eles começaram o processo fazendo Imposto de Renda especializado em latinos e agora atuam também nos segmentos contábil e tributário em pequenas e médias empresas.

E como essas empresas têm enxergado o mercado brasileiro de contabilidade?

Os grandes americanos já estão entrando no Brasil. A H&R Block, por exemplo, já tem escritório aqui no Brasil e processa uma quantidade gigantesca de IRPF lá nos Estados Unidos. Eles estão aqui hoje, basicamente, só online. Eles têm 10 mil escritórios e 1 em cada 6 declarações de IRPF nos Estados Unidos.

Desde quando eles estão aqui?

Desde 2012. Aqui no Brasil eles têm “só” 15 mil clientes, o que é muito pouco se considerar que nos EUA são 25 milhões de clientes.

Mas só atendem online? 

Aqui no Brasil, sim. Nos EUA não.

Isso não limita um pouco a atuação? 

Os americanos, quando vêm para cá, querem primeiro estudar melhor o mercado. Ninguém é doido de sair expandindo, abrindo novas unidades sem antes conhecer a fundo a legislação. E é esse movimento que estamos percebendo. A Liberty ainda não está no Brasil, mas tem um braço brasileiro, que é a Liberty Seguros. Agora, um outro estrangeiro que já está aqui no Brasil é a Paychex. Nos Estados Unidos eles têm um serviço de processamento de folha de pagamentos para pequenas empresas, além de serviços contábeis financeiros. São mais de 590 mil empresas que são clientes deles lá nos Estados Unidos.

E eles também estão on line ou não? 

Não. O processo deles aqui no Brasil entrou só como processamento de , aproveitando a onda, inclusive, do e, na realidade, a deles é baseada na quarteirização do serviço de dos . Então, se você tem um , eles “compram” a sua carteira, processam para você e tem um acordo comercial nessa história.

Ou seja, não dá para ficar esperando sentado, enquanto essas empresas vão se espalhando pelo mercado, certo?

Exatamente. E por que estamos olhando com atenção especial esse modelo americano? Primeiro, porque existe uma tendência indiscutível de globalização atingindo o setor de serviços contábeis aqui no Brasil. Essas grandes franquias vão entrar em larga escala, é uma questão de tempo. Em pequena escala existem vários escritórios internacionais já entrando aqui no Brasil, mas para atuação em nichos. Por exemplo, escritórios ingleses estão vindo para cá para processar serviços tributários de multinacionais inglesas. Isso já é um movimento que existe há muito tempo, mas em pequena escala. Então, inevitavelmente, o Brasil vai ser inserido nesse contexto global aí, até porque as normas contábeis brasileiras já estão em conformidade com as mundiais.

E quais são as outras tendências no ?

Outra tendência tem a ver tanto com as tecnologias tributárias quanto com esse processo de globalização, que é a profissionalização do setor. Hoje, tal qual aconteceu no setor de engenharia e está ocorrendo no setor de saúde, as estão passando por um processo de profissionalização. Hoje não basta mais ser um bom técnico. É o mínimo que você tem que ser. O dono da tem, necessariamente, que criar uma estrutura de pensando em estratégias específicas.

Em quais estratégias os têm de focar para se manterem competitivos diante deste cenário?

Atuação em , uso intensivo de e definição de segmentos de mercado são algumas delas. É um pensamento como qualquer outra empresa: pensar em RH, , mercado, e ao cliente. O fato é que, dos 54 mil que existem hoje no Brasil, posso dizer que apenas uma pequena parcela do mercado já está  com esse pensamento.

 

Fábio Guedes

www.reperkut.com.br

Qual sua opinião sobre isso?