O poder do Social Selling para acelerar o sucesso de startups no digital 

Social Selling é sobre atrair atenção, não intimidar os visitantes. Beatriz Krauss

por Beatriz Krauss*

Todos buscam uma arma secreta para impulsionar vendas e conquistar corações (e carteiras) dos clientes. Afinal, hoje em dia, os consumidores estão cada vez mais espertos e exigentes, e as velhas táticas de vendas já não têm o mesmo impacto de antes. É aí que entra o Social Selling, uma abordagem inovadora que utiliza as redes sociais como uma ferramenta poderosa para impulsionar as vendas no digital. Nada de spams ou abordagens intrusivas. Aqui, é tudo sobre construir relacionamentos genuínos e criar conexões emocionais com os clientes em potencial. 

Integrar o social selling nas estratégias de vendas, pode ser uma maneira eficaz de impulsionar o crescimento de startups e alcançar seus objetivos comerciais, ajudando a construir relacionamentos, aumentar a visibilidade da marca, identificar oportunidades de venda, alcançar o e até reduzir custos de marketing utilizada com ações estratégicas das redes sociais, alcançar sua audiência-alvo sem gastar grandes quantias em anúncios pagos, o que pode ser especialmente benéfico para startups com recursos financeiros limitados.
 

Diferentemente das técnicas tradicionais de vendas, que se baseiam em abordagens mais invasivas e focadas na venda direta, o Social Selling busca construir uma relação de confiança com os clientes em potencial, por meio do engajamento nas redes sociais. A ideia é criar um diálogo genuíno, oferecer conteúdo de valor e estabelecer uma presença online forte, que gere interesse e confiança por parte dos consumidores.

Para utilizar o Social Selling como estratégia de vendas devemos nos atentar em diferentes etapas da nossa comunicação, como: 

  • Metas e objetivos bem definidos para direcionar as ações de forma efetiva.
  • Compreender profundamente o perfil do público-alvo para criar abordagens personalizadas.
  • Identificar quais redes sociais são mais relevantes para o público-alvo e focar nelas. Por exemplo, se o seu público é mais ativo no LinkedIn, essa pode ser a plataforma ideal para a sua estratégia de Social Selling. Se forem consumidores mais jovens, o Instagram ou o TikTok podem ser mais apropriados.
  • Criar um perfil nas redes sociais completo e persuasivo para capturar a atenção dos clientes em potencial, com informações relevantes, foto adequada, e conteúdo que demonstre expertise e valor para o público-alvo.
  • Criar e compartilhar conteúdo relevante e de qualidade para estabelecer-se como autoridade no segmento e gerar engajamento.
  • Interagir ativamente com o público nas redes sociais para construir relacionamentos e demonstrar interesse genuíno pelo cliente.

Acompanhar e mensurar os resultados da estratégia utilizada é fundamental para avaliar a eficácia, identificar oportunidades, tomar decisões informadas, justificar o ROI, otimizar recursos e adaptar-se às mudanças do mercado. Isso permite que a startup ajuste sua estratégia de social selling de forma contínua e melhore os resultados ao longo do tempo.

As redes sociais são a selva digital onde clientes estão passeando diariamente. É o lugar perfeito para marcas mostrarem seu valor, compartilhar insights relevantes e mostrar sua expertise. É como ser o rei (ou a rainha) da selva, mas sem precisar rugir ou rosnar. Afinal, o Social Selling é sobre atrair atenção, não intimidar os visitantes. 

Então, quem ainda não embarcou nessa jornada do Social Selling, está na hora de se jogar de cabeça e turbinar a comunicação da sua startup.

*Beatriz Krauss é Líder de Comunicação Digital da SMU Investimentos, plataforma pioneira em crowdfunding de investimentos no Brasil.