EMPREENDEDORISMO CONTÁBIL E O FIM DO “SAMBA DE UMA NOTA SÓ”

por Roberto Dias Duarte (*)

O problema é que pensar apenas em atender às obrigações e prestar contas ao governo não agrega valor para os clientes.
O problema é que pensar apenas em atender às obrigações e prestar contas ao governo não agrega valor para os clientes.

, , , e-Financeira, EFD-Reinf. São tantas as mudanças, que quem trabalha em um já deveria ter se acostumado. Mas a velocidade de implantação das novas tecnologias tributárias é tão grande, que congressos, seminários e cursos voltados aos profissionais do setor contábil são marcados pelo debate sobre este tema.

Porém, mesmo com todas as mudanças anuais promovidas pelo fisco, a tão almejada valorização do setor contábil ainda parece um sonho inalcançável – pelo menos para alguns.

O problema é que pensar apenas em atender às obrigações e prestar contas ao governo não agrega valor para os clientes. É preciso prestar atenção no mercado, na demanda dos clientes, nos novos concorrentes e tecnologias. Todos os setores econômicos estão vivendo uma “Uberização”. Na contabilidade não é diferente.

O perfil do brasileiro está em franca transformação. Há pequenas empresas cujos sócios são mais instruídos e capacitados, demandando melhor e mais serviços.

Recentemente, utilizei a metodologia global NPS () para avaliar este quesito. Foram mais de 2 mil respostas de empresários. Tivemos 42% classificados como detratores dos escritórios e 33% como promotores. Na prática, isso mostra que temos um terço dos escritórios trabalhando com , transformando seus clientes em verdadeiros fãs.

A de perfil do foi detectada na pesquisa NPS. Dentre as respostas qualitativas de quase 2 mil empresários, uma das considerações mais recorrentes foi a demanda por maiores proatividade e presença. Não foram poucas as reclamações sobre a falta de orientações preventivas, a fim de se evitarem problemas.

Uma resposta resume esta situação. Quando perguntado sobre quais mudanças que o seu atual teria de fazer para melhorar, o cliente disse: “dar maior atenção à minha empresa em relação ao que devemos fazer para não termos problemas futuros com impostos (…).”. Outro empresário reclamou : “são totalmente reativos aos contábeis, e muitas vezes deixam coisas que só ficamos sabendo quando o problema já ‘estourou’.”.

“Atuação mais proativa e consultiva. Trazer soluções para problemas que eu nem sei que tenho. Aproveitar melhor as ferramentas digitais”, sintetizou outro entrevistado.

Muitos sugeriram também o maior uso de para integrar os dados entre empresas e escritórios: “Automatizar os e me ajudar a ter mais desempenho no negócio com conselhos administrativos e/ou direcionamento na tributação”; “Informatizar com um portal completo para os clientes, para poder acompanhar a vida contábil da empresa, fazer solicitações e tirar dúvidas”.

Um terceiro item recorrente diz respeito à compreensão da realidade das empresas, à personalização do e à especialização no setor de atividade do cliente. Situação resumida pela frase: “Maior disponibilidade e melhor entendimento do meu segmento de trabalho”.

Por fim, inúmeras foram as reclamações quanto à qualidade do e ao compromisso com prazos e demandas empresariais e legais. Por outro lado, os escritórios bem avaliados criaram uma legião de promotores, que claramente demonstraram cuidado no , compromisso com prazos, uso de para integração de dados e comunicação com os clientes, além de especialização e proatividade. Um desses promotores, quando perguntado sobre o que seu escritório sabe fazer muito bem, respondeu: “Me deixar tranquilo”.

O debate sobre as estratégias para valorização dos serviços contábeis precisa ser incluído na agenda de todos os eventos da área. Mais que isso, essa discussão deve sair do campo emocional e abordar técnicas, metodologias, melhores práticas para a estratégica dos prestadores de serviços contábeis. Ou seja, substituir o bate-papo passional por modelos científicos globalmente aplicados com vistas à geração de valor.

Enfim, ficar no samba de uma nota só das obrigações fiscais jamais criará tal percepção positiva por parte de quem paga a conta: o cliente.

(*) Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Contábil, primeira deste setor no país.

Qual sua opinião sobre isso?