Fusões e aquisições: tendências para 2021

Gabriela Da Avila Machado - Aceleração contábil

por Gabriela de Ávila Machado*

O processo de e de empresas (M&A) vem representando uma solução economicamente viável para diversos empreendedores que correm o risco de reduzir suas operações, cortar funcionários ou até mesmo fechar definitivamente suas portas.

Na prática, ele representa a consolidação mútua entre diferentes empresas para formar um único negócio, ou de ativos de um negócio por outro, proporcionando o surgimento de novos empreendimentos. Mesmo com a pandemia, essa tendência permaneceu forte no país – apresentando inclusive um aumento considerável em relação a anos anteriores.

Segundo dados da consultoria PwC, foram registradas 802 transações entre janeiro e outubro do ano passado, um aumento de 13% em relação ao mesmo período em 2019. Além disso, somente entre julho e setembro de 2020, a quantidade de e cresceu 46% em relação ao mesmo período do ano passado.

Essa tendência se mostrou mais presente em empresas de tecnologia, saúde e imobiliárias, por exemplo, que durante a pandemia tiveram um aumento da demanda por seus serviços. Afinal, o isolamento social impulsionou a transformação digital, a busca por serviços e produtos na área de saúde e por imóveis residenciais maiores, já que a casa se tornou também o escritório de muita gente.

Nesse contexto, o M&A figura com uma boa opção tanto para empresas que estão em apuros financeiros devido à crise econômica, quanto uma boa oportunidade para quem deseja expandir, seja em sua área de atuação ou buscando a diversificação do portfólio. Tem havido até flexibilização por parte das agências reguladoras no intuito de preservar a manutenção das empresas, dos empregos e dos benefícios ao consumidor.

Um bom exemplo foi a decisão do CADE, de 28 de maio de 2020, que permitiu que Ambev, BRF, Coca-Cola, Mondelez, Nestlé e Pepsico, colaborassem em conjunto para criar o empreendimento denominado “Movimento Nós”, visando a recuperação da atividade de pequenos varejistas com o objetivo de trazer maior capacidade de produzir resultados efetivos e na escala necessária para auxiliar os estabelecimentos comerciais a retomarem suas atividades.

Outro exemplo foi o Anúncio da Comissão Mexicana de Competição Econômica de que não iria processar acordos de colaboração necessários para manutenção e aumento de fornecimento, satisfazer a demanda e evitar faltas que não fossem realizados com o objetivo de prejudicar competidores. Dessa forma, será evitado o longo processo de autorização, otimizando o M&A que favoreça a economia local.

E, com a desvalorização do Real frente ao dólar, a baixa das taxas de juros e a disponibilização de mão de obra, o Brasil tem se tornado um destino atrativo para empresas estrangeiras, em especial do Estados Unidos, Alemanha e França. Só entre janeiro e agosto de 2020, a PwC registrou 151 transações internacionais no Brasil. Facilitados pela baixa nas taxas de investimento no país, fica muito mais vantajoso e atrativo investir em empresas nacionais, seja fundindo seus negócios ou comprando parte de seus ativos.

O cenário para a melhora do mercado nacional pelo processo de e é bem positivo para 2021 – em especial pela chegada da vacina e possível redução da pandemia – com uma maior segurança tanto para os investidores nacionais quanto internacionais.

Para não cair em armadilhas, alguns cuidados são fundamentais. Contar com a auditoria do Due Diligence, por exemplo, é uma das melhores formas de garantir segurança diante do investimento, seja em um processo de ou de aquisição. Com ele, é possível analisar diversas informações e documentos de uma empresa, se certificando dos riscos envolvidos nas atividades do alvo, de que não possui passivos trabalhistas, tributários ou mesmo ambientais que possam gerar prejuízos futuros a um possível comprador.

Cada empresa deve ter um bom e para organizar o processo de ou ao seu negócio. Independentemente do método escolhido, o objetivo é sempre o mesmo: garantir a sobrevivência do negócio e – principalmente – a manutenção do bem estar econômico.

*Gabriela de Ávila Machado é advogada, DPO (Data Protection Officer) certificada e líder da área societária do Marcos Martins Advogados.

Sobre o Marcos Martins Advogados:https://www.marcosmartins.adv.br/pt/

Fundado em 1983, o escritório Marcos Martins Advogados é altamente conceituado nas áreas de Direito Societário, Tributário, Trabalhista e Empresarial. Pautado em valores como o comprometimento, ética, integridade, transparência, responsabilidade e constante especialização e aperfeiçoamento de seus profissionais, o escritório se posiciona como um verdadeiro parceiro de seus clientes.

Classifique nosso post

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments