Como calcular o turnover da empresa?

O que pode ser medido, pode ser melhorado. Peter Drucker

O turnover é o indicador que mensura a rotatividade de colaboradores em um negócio. Logo, trata-se da substituição de profissionais que saem da empresa pelos que são inseridos na mesma função. Mas você sabe como calcular o turnover e por que isso é importante? 

Neste artigo, explicaremos um pouco mais sobre as fórmulas que devem ser utilizadas para calcular o índice e quais os custos que a empresa tem sempre que um colaborador sai e um novo entra. Quer ficar por dentro do assunto? Então, continue a leitura. 

Qual a importância de acompanhar o turnover na empresa?

Saber como fazer o cálculo de turnover é importante para entender os custos da rotatividade. Além disso, ele pode sinalizar uma série de erros na gestão de pessoas, como seletivos equivocados, clima organizacional ruim e até remunerações inadequadas. 

Em muitos casos, é preciso compreender que a rotatividade é benéfica para a organização. No entanto, ela gera diversos custos, como novos seletivos, treinamentos para novos colaboradores e acertos trabalhistas para os que estão saindo. 

Dessa forma, controlar o índice de turnover é fundamental para entender qual o verdadeiro impacto a rotatividade traz ao negócio. Ainda, o cálculo e sua avaliação são essenciais para buscar estratégias de retenção de talentos. 

Como calcular o turnover?

O índice de turnover é apenas uma das que precisa ser acompanhada de perto pelo RH. Para realizar o cálculo, é necessário considerar algumas variáveis, como o número de demissões e de admissões, além do total de funcionários na empresa. Nesse caso, o ideal é que o valor obtido seja menor que 10% ao ano.

Cálculo de turnover geral

Para o cálculo do turnover geral, você precisa somar o número de admissões ao número de desligamentos, dividir o resultado por 2 e, então, dividir novamente pelo número total de colaboradores dentro da empresa. 

Esse cálculo indica a taxa de movimentação do número de funcionários. Multiplicando o resultado por 100, teremos a taxa de turnover. Dessa forma:

(x 100) turnover = (Y entrada + W saída) / 2 / Total de funcionários ativos

Turnover de demissão

Esse é o cálculo voltado para demissões, que também é conhecido como taxa de desligamentos. Nesse caso, é preciso dividir o número de demissões e desligamentos pelo número de colaboradores ativos no último dia do mês ou período analisado e multiplicar o valor por 100 para chegar a uma porcentagem. 

Assim:

  • (x 100) Taxa de Desligamentos = nº de desligamentos / nº de funcionários ativos. 

Vale destacar que esse cálculo inclui tanto os desligamentos ativos, ou seja, os pedidos de demissão, quanto os passivos, em que a empresa demite o colaborador. Para entender cada uma das taxas, é possível calcular os valores separadamente, utilizando essa mesma fórmula. 

Turnover de admissão

Trata-se do cálculo que ajuda a avaliar os de recrutamento e seleção para entender se o que está sendo oferecido aos candidatos é realmente aquilo que ele encontrará ao ingressar na empresa. 

Dessa forma, calcula-se a proporção entre o número de funcionários demitidos com menos de 6 meses de trabalho na empresa e o número de colaboradores ativos até o último dia do mês anterior. 

Assim:

  • (x 100) Taxa de admissão: nº de desligamentos recentes / nº de colaboradores ativos.  

Quais os custos do turnover para a empresa?

Além de saber como calcular o turnover, é importante entender os custos relacionados a esse indicador para identificar se a empresa está ou não saindo no prejuízo.  

Custos de admissão

Quando um novo contratado chega, ele precisa ser treinado para a função que vai exercer. Além disso, sua produtividade só pode ser considerada ideal, na maioria dos casos, após o período de experiência

Dessa forma, os três primeiros meses são considerados custo de e o retorno do investimento no novo colaborador só iniciará após o quarto mês de contratação. 

Mas além do investimento em treinamentos, é necessário, também, considerar os custos do processo de contratação, que incluem despesas como anúncios e divulgações de vagas.

Custos de desligamento

No caso da demissão, a empresa precisa recompor a vaga por meio de um processo seletivo. Contudo, enquanto o processo não é finalizado, será necessário comprometer o rendimento dos demais funcionários para cobrir as funções do ex-colaborador. 

Assim, o time dedica menos horas às suas próprias obrigações para poder assumir emergências por conta do desfalque. Essa queda de produtividade corresponde a 30% do salário pago para o colaborador que pediu demissão. 

Além da queda de produtividade do restante do time, o colaborador que está saindo também gera custos para a empresa, como:

  • benefícios e bônus a serem pagos;
  • férias a pagar, 13º salário proporcional e despesas associadas;
  • multas rescisórias;
  • média dos acordos trabalhistas, quando o colaborador acionou a empresa judicialmente;
  • custos com exames demissionais. 

Conclusão

Quando o índice de rotatividade de uma empresa é muito alto, ela acaba sofrendo com os custos que poderiam ser evitados com um programa de retenção de talentos. 

Quer entender mais sobre como acompanhar o índice de rotatividade e não perder colaboradores para o mercado? Baixe o kit de materiais gratuito