Turnover: o que é e como impacta o escritório de contabilidade

Os clientes nunca irão amar uma empresa sem que os funcionários a amem primeiro. Simon Sinek

O turnover causa impactos nas empresas e precisa ser analisado para descobrir as razões para a perda de funcionários. Desligamentos e demissões representam dinheiro perdido e as organizações precisam ter atenção a esse problema.

Na contabilidade, quando um analista contábil deixa o quadro, leva consigo mais do que despesas rescisórias. Com o profissional vão a expertise, o talento e até a confiança dos clientes. 

Saber o que é turnover é o primeiro passo para minimizar os danos. Uma de equipe eficiente evita a rotatividade. Por isso, neste artigo, vamos explicar o que é, seu impacto e como reduzir a rotatividade no seu escritório contábil. Confira! 

O que é turnover?

Pela tradução do termo, em inglês, turnover significa “rotatividade” ou “renovação”. Na prática da Gestão de Pessoas e na rotina das empresas, turnover significa a taxa de alternância de colaboradores. 

O indicador de turnover é uma das mais importantes para o RH. Com ele, acompanhamos as entradas (contratações) e saídas (desligamentos) em determinado período, comparando ao total de colaboradores. 

Além do conceito de turnover é importante analisar o contexto. Por exemplo, uma taxa elevada na rotatividade da empresa pode ser interpretada de maneiras diferentes. 

Vale frisar que a saída de um colaborador nem sempre é consequência de uma demissão voluntária. Ela pode ocorrer por aposentadoria ou remanejo do profissional para outros setores. Todos esses motivos contam no momento de analisar a taxa de turnover.

Quais os tipos de turnover?

É fundamental fazer uma análise do contexto para entender cada situação. Nas teorias clássicas de RH, consideramos quatro tipos de turnover. 

1. Turnover voluntário

Nesse caso, o próprio colaborador solicita seu desligamento por diversas razões. As mais comuns são: insatisfação com o cargo ocupado, ambiente de trabalho hostil ou baixa remuneração. É um tipo comum entre profissionais com ensino superior ou entre executivos buscando novos desafios.

2. Turnover involuntário

A organização desliga o colaborador por baixo desempenho, dificuldade de adaptação ou relacionamento, descumprimento do contrato de trabalho ou crise financeira. A demissão é comunicada e o RH paga as devidas verbas rescisórias. No Brasil, o turnover involuntário tem custos trabalhistas altos. 

3. Turnover funcional

Caracterizado pelo baixo rendimento do colaborador resultando no desligamento voluntário. Esse tipo de turnover é favorável para as empresas, pois não gera custos demissionais e abre vaga para profissionais mais capacitados para a vaga ou função. 

4. Turnover disfuncional

O turnover disfuncional representa a perda de um colaborador de alta performance. Um dos motivos é a incapacidade da empresa em reter esse talento. Como consequência, o negócio perde produtividade, qualidade das entregas e satisfação dos clientes. 

Por que o deve medir o turnover

Os impactos da rotatividade de funcionários não prejudica apenas a equipe de trabalho. Os clientes também os percebem quando são atendidos por diferentes pessoas em diferentes ocasiões.

Essa inconstância no quadro de pessoal dificulta a criação de vínculos entre cliente e colaborador e entre clientes e sua marca. As relações tornam-se superficiais, gerando desconforto ou mesmo desconfiança. 

Monitorar e calcular a taxa de turnover fortalece o relacionamento com os clientes do escritório contábil, principalmente ao prestar suporte consultivo diante de decisões estratégicas. 

Afinal, apesar dos recursos tecnológicos, a figura do continua importante para a fiscal, financeira e tributária das empresas. 

Caso esse profissional experiente deixe a equipe, o fato pode abalar a confiança do cliente. Lembre-se: na contabilidade, os vínculos de confiança e a credibilidade são fundamentais. 

Afinal, um escritório trata dados sensíveis de empresas e de pessoas físicas. Assim, a rotatividade de pessoal pode ser negativa para o negócio e gerar prejuízos que vão além dos custos de demissão e nova contratação de profissional. 

Custos do turnover

Estar atento aos custos que envolvem o índice de turnover exige dedicação constante. Não é segredo que um índice alto compromete seriamente as finanças de uma empresa, além, é claro, do custo da perda de um talento. As razões para o aumento das despesas são:

  • gasta-se com de recrutamento;
  • despesas trabalhistas referentes às demissões e às novas contratações;
  • custos de e capacitação de colaboradores que ingressam na empresa;
  • custos indiretos decorrentes da saída de alguns funcionários. Por exemplo, ações e participações (no caso de executivos), carteiras de clientes (para profissionais de vendas). Ainda bons recursos e ativos em empresas que utilizam preceitos de Bring Your Own Device (BYOD).

Ainda, enquanto um cargo está desocupado, há necessidade de deslocar colaboradores para cobrir funções, resultando em perda de produtividade. 

Como reduzir o turnover

Ao entender a necessidade de acompanhar o índice de rotatividade em um escritório contábil, confira dicas para reduzir o problema:

  • promova melhorias no processo seletivo;
  • analise os operacionais administrativos e avalie quais impactam na produtividade, no engajamento e no lucro;
  • aprimore estratégias para reter talentos;
  • evite a sobrecarga de trabalho além do planejado;
  • desenvolva um plano de carreira atraente para os colaboradores;
  • invista em capacitação e treinamento;
  • desenvolva bons líderes;
  • promova a de feedback de mão-dupla: da empresa para o colaborador e do colaborador para a empresa;
  • faça avaliações de desempenho periódicas;
  • tenha um programa de benefícios personalizado para seus funcionários, ofereça qualidade de vida e infraestrutura laboral;
  • utilize o mapeamento de perfil comportamental para contratações mais assertivas, considerando soft skills importantes para o negócio e o fit cultural.

Conclusão

Compreender os impactos do turnover nos é o primeiro passo para enfrentar o problema. Colaboradores não são peças de uma engrenagem. O mercado aprendeu que seus são seu público interno. Satisfazê-lo, engajá-lo e reconhecer o papel que desempenha na organização é muito importante para reter talentos. Quer saber como manter bons talentos na sua empresa de e reduzir a rotatividade? Leia o artigo: “Manter bons colaboradores é difícil, mas tem solução”.